dez 26

Incensos

Incensos

Provavel­mente foram os egíp­cios os primeiros a man­u­fat­u­rar e usar os incen­sos, sendo o mais famoso deles o Kyphi ou Khy­phi, pro­duzi­do den­tro dos tem­p­los e sob rit­u­ais secre­tos.

Plutar­co assim definiu: “O incen­so tem dezes­seis (16) ingre­di­entes, número que con­sti­tui um quadra­do de um quadra­do e tais ingre­di­entes são coisas que, à noite, deli­ci­am. Tem o poder de adorme­cer as pes­soas, ilu­mi­nar os son­hos e relaxar as ten­sões diárias, trazen­do cal­ma e qui­etude àque­les que o res­pi­ram.”

Tal incen­so mági­co era feito de mel, vin­ho, pas­sas, jun­co doce, resina, mir­ra, olíbano, séseli, cálamo, betume, labaça, thry­on, as duas espé­cies de arcouthelds, cara­mum e raiz de Íris.

Incen­so

Tam­bém os anti­gos povos da Índia uti­lizavam incen­sos em rit­u­ais públi­cos ou em casa, com­pos­to de ben­joim, resinas, cân­fo­ra, sementes, raízes, flo­res secas, madeiras aromáti­cas e sân­da­lo.

No Vel­ho Tes­ta­men­to, há citações do sécu­lo VII a.C de incen­sos com­pos­tos por estoraque, onicha, gál­bano e olíbano puro que eram usa­dos pelos judeus em seus ritos.

Na Gré­cia, os incen­sos começaram a ser uti­liza­dos a par­tir do sécu­lo VIII a.C e, um sécu­lo antes, os bud­is­tas já os uti­lizavam no rit­u­ais das sete ofer­en­das sen­so­ri­ais, que for­mam os sete está­gios de ado­ração.

Na anti­ga Fes­ta do Pas­tos, tradição romana, os incen­sos eram usa­dos jun­ta­mente com ramos de oliveira, louros, ervas, mir­ra e açafrão.

Religião e incenso… 

Os cristãos foram os reli­giosos que mais demor­aram a uti­lizar o incen­so em suas cer­imô­nias mas, a par­tir do sécu­lo XIV pas­sou a ser ele­men­to impor­tante tan­to da mis­sa solene quan­to de out­ros rit­u­ais.

Quan­to aos islâmi­cos, seu uso é somente quan­do se faz uma refer­ên­cia aos mor­tos.

Inde­pen­dente da religião, os incen­sos sem­pre foram uti­liza­dos em cer­imô­nias mág­i­cas, como for­ma de neu­tralizar ener­gias neg­a­ti­vas, ten­do como base o olíbano, ben­joim, estoraque, sementes de coen­tro e aloés.

Tipos de incenso e para que servem…

Usa-se o incen­so não ape­nas para per­fumar o ambi­ente mas para que as ener­gias neg­a­ti­vas sejam afas­tadas do local. Tam­bém podem ser aces­so para ener­gizar e tran­quil­izar as pes­soas que estão no local graças a seus aro­mas mági­cos.

Há quem uti­lize os incen­sos para faz­er a limpeza de ambi­entes. Para isso deve segu­rar o incen­so com a mão esquer­da e per­cor­rer o local dese­ja­do e ir em todos os can­tos de qual­quer local­i­dade.

Lem­bre-se sem­pre de procu­rar o incen­so cor­re­to para a situ­ação que você procu­ra. Há um aro­ma para cada caso.

Relação de incensos e suas finalidades:

  • Arru­da: pro­teção espir­i­tu­al, segu­rança, elim­i­nação de ener­gias neg­a­ti­vas
  • Acá­cia: para um sono tran­qui­lo
  • Absin­to: pro­teção, amor e clar­iv­idên­cia
  • Ale­crim: Afas­ta depressão
  • Alfaze­ma: Ele­va o astral
  • Almís­car: Sorte, suces­so e intu­ição
  • Angéli­ca: pro­teção
  • Artemísia: clar­iv­idên­cia
  • Anis estre­la­do: boa sorte
  • Ben­joim: cria­tivi­dade
  • Camomi­la: mel­ho­ra as finanças
  • Canela: questões finan­ceiras
  • Cân­fo­ra: real­iza­ção emo­cional e profis­sion­al
  • Cedro: aumen­ta a força físi­ca e o suces­so com as ven­das
  • Cipreste: con­cen­tração, a firmeza e o equi­líbrio
  • Cra­vo: abre os cam­in­hos e atrai din­heiro
  • Erva cidreira: feli­ci­dade e suces­so
  • Erva doce: con­tra inve­ja
  • Eucalip­to: limpeza energéti­ca
  • Hort­elã: anu­la as ener­gias neg­a­ti­vas
  • Jas­mim: acal­ma o ambi­ente
  • Lavan­da: elim­i­na a depressão
  • Man­jer­icão: sorte, feli­ci­dade, pros­peri­dade e pro­teção
  • Mir­ra: estim­u­la a intu­ição
  • Noz mosca­da: ale­gra o ambi­ente e atrai din­heiro
  • Orquídea: indi­ca­do para purificar o ambi­ente de tra­bal­ho
  • Patchuli: traz abundân­cia e reati­va a fer­til­i­dade
  • Pimen­ta da Jamaica: elim­i­na brigas den­tro de casa
  • Pin­ho: pro­teção e aumen­to da fer­til­i­dade
  • Rosa bran­ca: limpa o ambi­ente con­tra ener­gias malé­fi­cas
  • Sân­da­lo: aju­da no desen­volvi­men­to e expan­são da intu­ição
  • Sân­da­lo bran­co: suces­so, pro­teção e poder da med­i­tação
  • Vertiv­er: pro­tege o comér­cio, atrai din­heiro e boa sorte
  • Vio­le­ta: espan­ta as ener­gias neg­a­ti­vas

Como acender os incensos..

Sem­pre que for acen­der um incen­so, busque a paz inte­ri­or e faça uma oração, men­tal ou fal­a­da, pedin­do pro­teção espir­i­tu­al. Você pode acen­der seu incen­so tan­to com o isqueiro quan­to com o fós­foro. Se optar pelo isqueiro, sig­nifi­ca que você acred­i­ta em sua força men­tal e em seu pen­sa­men­to pos­i­ti­vo para limpar o ambi­ente. Se preferir o fós­foro, você acred­i­ta nos ele­men­tos do ar, nos sil­fos e síl­fides, que colab­o­rarão com a limpeza do ambi­ente.

Eu espero que todos aqui ten­ham paz e luz de espíri­to e rece­bam essas dicas e méto­dos para mel­ho­rarem e se aper­feiçoarem cada vez mais e mais! Gratidão!

Não se esqueçam de ler tam­bém sobre os 7 chakras aqui no nos­so site:

Chakras e sua intro­dução

Fonte: A magia dos incen­sos — Min­u­ano.

0 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 5 (0 votos, média: 0,00 de 5)
Você precisa estar registrado para votar.
Loading...